Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Igualdade Racial

O Plenário do Senado aprovou no início da noite de ontem (16/06), em sessão extraordinária, o Estatuto da Igualdade Racial. O projeto, que tramitou por sete anos no Congresso, será enviado imediatamente à sanção do presidente da República. O Senado suprimiu um artigo que previa cotas para negros nas universidades federais e escolas técnicas públicas.

O projeto havia sido votado no início da tarde pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde também houve acordo. A proposta (PLS 213/03) foi apresentada em 2003 pelo senador Paulo Paim (PT-RS). No Plenário, apenas o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), relator da matéria na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, explicou as mudanças que fez na proposta, fruto de negociação com o senador Paulo Paim (PT-RS), representando os movimentos raciais e a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Com a supressão de trechos, a matéria não precisa retornar ao exame dos deputados.

Durante as negociações, foi substituída a palavra “raça” por “etnia”. O relator ponderou que a ciência já mostrou que não há raça negra, branca ou amarela, mas sim raça humana. “A diferença entre dois homens de cor diferente, conforme a ciência, não chega a 0,005 por cento”, disse. O senador informou que decidiu suprimir as expressões “cotas raciais”, por entender que devem existir cotas sociais. A questão está sendo tratada em outro projeto).

Houve a supressão de um artigo inteiro que previa incentivos fiscais para as empresas que mantivessem em seus quadros até 20% de negros. Para o relator, o incentivo acabaria se tornando inócuo, pois todas as companhias acabariam reivindicando o benefício. “Assim, poderíamos provocar atrito entre a população negra e a branca pobre”, opinou. Ele também recusou um item que previa a inscrição, nos partidos políticos, de 10% de candidatos negros.

Demóstenes Torres disse acreditar que o Estatuto da Igualdade Racial contenta os movimentos sociais e mantém todas as possibilidades de adoção de ações afirmativas em favor da população negra. Para ele, tais ações devem ser tomadas de forma pontual, “e não de maneira genérica, como estava no projeto”, e sua adoção “poderia acirrar a questão racial no Brasil”.

A senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) disse que pretendia, pela votação de destaques em separado, manter o texto que previa tratamento específico, na saúde pública, para negros, especialmente gestantes negras. Mas, em função do acordo, abriu mão dessa ideia. Já a senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) anunciou que, apesar do acordo, iria se abster na votação, pois defende as cotas para negros.

Ao concluir a votação, o presidente do Senado, José Sarney, lembrou que foi um dos primeiros parlamentares a apresentar projeto prevendo a introdução de cotas raciais no país.

(Agência Senado)

Show CommentsClose Comments

Leave a comment