Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Estratégias de Defesa

 

Em meio ao debate sobre a expansão de gastos militares do Brasil, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lança a primeira graduação em Estudos Estratégicos do País, destinada a formar especialistas civis em Defesa.

Criado em votação polêmica no Conselho Universitário da instituição, por 21 votos a 10 (e 4 abstenções), o curso de Defesa e Gestão Estratégica Internacional abordará o assunto em perspectiva mais ampla que a militar, diz o diretor do Núcleo de Estudos Internacionais (NEI), Ronaldo Fiani.

“Ao contrário do que se supõe, a Defesa não se resume às questões militares”, diz. “A Defesa do País significa considerar a da sociedade – e não a do Estado – diante das ameaças que a afetam coletivamente. Essas ameaças envolvem, por exemplo, obstáculos ao desenvolvimento, degradação do meio ambiente ou problemas de saúde coletiva”.

No vestibular de 2010, primeiro no qual a UFRJ oferece o curso, haverá 120 vagas – 60 no primeiro semestre e 60 no segundo. Serão oito períodos letivos. Até o quinto período, todos terão aulas de um núcleo comum. A partir do sexto, o aluno escolherá uma das três ênfases da graduação: Estratégias Nacionais e Regionais de Segurança pelo Desenvolvimento, Defesa e Assuntos Estratégicos, ou Saúde e Questões Ambientais Globais.

Entre as disciplinas estarão Interpretações do Brasil, Teoria dos Jogos, Comércio Internacional de Armas, Bioética em Saúde, Poluição Ambiental e Repercussões Internacionais, Toxicologia e Defesa Nacional, Trajetória Contemporânea do Sistema Interestatal Capitalista e Estudo da Defesa.

“Vamos formar gestores e pesquisadores para formular a estratégia nacional de Defesa, entendida nesse sentido mais amplo de defesa da sociedade”, diz. Interdisciplinar, o novo curso terá aulas no câmpus da Ilha do Fundão, das 16 às 20 horas. CONTROVÉRSIA – O nascimento do novo curso foi conturbado. Na sessão do Conselho Universitário de 13 de agosto, que discutiu a proposta, dois conselheiros leram pareceres opostos à criação. Contrária, a conselheira Lilia Pougy considerou a proposição “extemporânea”, com problemas formais e com proposta pedagógica inconclusa.

“É incontestável a duplicação da mesma ideia – a proposta de criação do bacharelado e o curso de Relações Internacionais – nas palavras do próprio proponente”, afirmou a professora, segundo ata da reunião. “A área de Relações Internacionais na UFRJ precisa ser fortalecida e não pulverizada”. O parecer favorável foi do conselheiro Alcino Câmara Neto.

“Infelizmente, há suscetibilidade quando o assunto é Defesa, em função da memória do regime militar”, reconhece Fiani. “Temia-se que o curso fosse uma reedição da Doutrina de Segurança Nacional e alguns acreditavam que Defesa fosse uma questão estritamente de militares, que não caberia à sociedade discutir.” Para Fiani, essa visão é equivocada. “Basta consultar o projeto de graduação do curso de Defesa e Gestão Estratégica Internacional para ver que não se trata de Relações Internacionais e muito menos de retornar à Doutrina de Segurança Nacional”.

 

(Fonte: A Tarde On Line)

Show CommentsClose Comments

Leave a comment